Em reunião com presidente da Energisa, governador foi categórico em afirmar ser contra o aumento da tarifa

Em reunião com presidente da Energisa, governador foi categórico em afirmar ser contra o aumento da tarifa

Um investimento em torno de R$ 471 milhões em Rondônia, que irão refletir em melhorias quanto à qualidade dos serviços e atendimentos aos consumidores, foram apontadas como expectativas para este ano pelo grupo Energisa que assumiu recentemente a distribuição de energia da Eletrobrás Rondônia (extinta Ceron). Os projetos e medidas que irão ser adotados foram apresentados pelos diretores da empresa ao governador de Rondônia, coronel Marcos Rocha, durante reunião ocorrida no final da tarde de segunda-feira (11) no Palácio Rio Madeira, com a participação de secretários de Finanças e de Planejamento, Orçamento e Gestão.

O presidente do Grupo Energisa, Ricardo Perez Botelho, fez uma breve explanação dos projetos que a empresa pretende desenvolver, bem como um breve relato histórico da empresa centenária e que tem a distribuição de energia como à base principal do negócio.

“Estamos fazendo este contato com o governo do Estado para que possamos apresentar nossos planos de investimentos que elaboramos para os próximos anos. Aproveitamos a reunião e fizemos uma explanação de todo o processo que iremos investir, bem como as principais metas que visam melhorar o serviço para população e, dessa forma, podermos contribuir para o desenvolvimento social do Estado. Consideramos ter sido uma reunião muito positiva onde foram colocados todos os sistemas da empresa e ficamos satisfeitos por conhecermos o governador e toda a equipe de governo”, argumentou o presidente da Energisa.

O governador ouviu atentamente toda a explanação do grupo Energisa e foi categórico em afirmar ser contra o aumento da tarifa. “Discutimos nesta reunião acerca de vários assuntos, bem como às explicações a respeito dos investimentos que serão feitos nas cidades que hoje não tenham energia adequada como Porto Velho, ou seja, há muitas falhas que eles vão direcionar as atenções em todos os sistemas com objetivo de recuperá-lo o quanto antes”, enfatizou o governador.

Marcos Rocha fez alguns esclarecimentos sobre o tema energia que, em condições elogiáveis, pode gerar de certa forma uma energia adequada garantindo, também, a possibilidade de investimentos no Estado. “Foi o primeiro contato onde reunimos com secretários e a diretoria da Energisa. A expectativa é de que o Grupo possa contribuir sempre para o desenvolvimento do Estado de Rondônia. É lógico, tem vários aspectos aqui que pontuamos e iremos manter discussões com os representantes da Energisa, tais como a questão da carga do custo da energia. Destacamos que o Grupo apresentou projetos e investimentos para o Estado, citando como exemplo o Programa Luz Para Todos”, disse o governador.

A citação do governador tem como base todo o cronograma, bem como os projetos apresentados pela Energisa que traz no seu relatório a ampliação da capacidade de atendimento, colocando Rondônia como o segundo Estado a receber um grande volume de investimentos em distribuição, com investimentos em torno de R$ 471 milhões somente este ano destinados à interligação de sistemas isolados, beneficiando mais de 70 mil clientes espalhados por 12 municípios, bem como a ampliação e modernização dos sistemas, capacitação de equipes, ampliação do atendimento e da logística na região, o que possibilitam em melhoria dos canais de atendimento ao cliente.

O presidente do Grupo Energisa deixou claro que um dos grandes gargalos enfrentados é quanto aos furtos de energia. Segundo apresentado pelo presidente do Grupo, mais de 28% da energia é perdida, somando furtos e as perdas técnicas. Segundo apontado no relatório apresentado ao governador, esse índice coloca a distribuidora entre as empresas com maior índice de perdas elétricas do país, prejudicando a população, a qualidade de energia e o Estado, que perde milhões em arrecadação de impostos. A regularização das chamadas ligações clandestinas traz, segundo apontado pela empresa, a expectativa em retorno no triênio 2019/2021 com ICMS para o Estado na ordem de R$ 86 milhões.

Autor / Fonte: Paulo Ricardo Leal/Secom

Comentários

Leia Também

 
Loading...