Imprensa nacional destaca policial que colocou tornozeleira no maior desmatador de Rondônia

Imprensa nacional destaca policial que colocou tornozeleira no maior desmatador de Rondônia

Rondônia nomeou um policial para o meio ambiente. Ele foi atrás dos mandantes do desmatamento e colocou tornozeleira eletrônica no maior deles

Ao longo de 2017, pequenos agricultores ouviram a história de uma terra prometida em Buritis, Rondônia. Como na passagem bíblica, era uma terra boa e larga (mais de 500 hectares) que manava leite e mel. Para ter acesso a essa terra, eles pagaram até R$ 1.000 por lote e pegaram emprestado equipamentos para derrubar a floresta, com a promessa de que poderiam construir casas, fazer um roçado ou criar gado. Mas a terra prometida tem dono – o governo. Trata-se do Parque Estadual Guajará-Mirim, uma importante Unidade de Conservação do estado. Em três operações no ano passado, o governo e a Polícia Civil conseguiram evitar o loteamento do local, o desmatamento dos 500 hectares e prender os mandantes do desmate. Isso foi possível graças a uma mudança de abordagem: os agentes consideraram a operação como uma ação contra o crime organizado.

As operações foram idealizadas pelo secretário de Meio Ambiente de Rondônia, Vilson de Salles Machado. Gaúcho de 49 anos, mudou-se para Rondônia em 1992 para ser policial militar. Subiu na hierarquia da corporação até a patente de coronel. Foi observador da ONU em duas missões em Angola, em 1997 e 1998. Em 2014, aceitou o desafio de assumir a Pasta de Meio Ambiente. Ele percebeu que a melhor forma de atuar era encarar o desmatamento como caso de polícia. “Nas fiscalizações, combatemos verdadeiras quadrilhas, que operam no patamar do crime organizado. Investigando dessa forma, conseguimos chegar aos empresários que financiam o crime ambiental.”

Antes de Machado assumir como secretário, as fiscalizações por desmatamento nem sequer resultavam na instauração de inquérito policial. Por isso, uma das primeiras mudanças que ele implementou  buscava melhorar a inteligência das operações. Os policiais conseguiram autorizações judiciais para quebra de sigilo e interceptações telefônicas. O acesso a esse tipo de informação permitiu rastrear atividades como o transporte de madeira ilegal e identificar os mandantes do desmatamento. Ao todo, foram emitidos 20 mandados de busca e apreensão. Oito mandantes foram presos preventivamente. Hoje, eles respondem a processo em liberdade, mas passaram a ser monitorados pelas mesmas tornozeleiras eletrônicas que ficaram famosas com as megaoperações da Lava Jato. Entre os detidos estava Luciano Jordão, conhecido como Zarolho. Ele é suspeito de ser o maior desmatador de Rondônia.

Ainda é difícil estimar o efeito que a mudança de abordagem de Rondônia trará para o combate ao desmatamento da Amazônia. Mas os sinais são promissores. “Rondônia está tentando fazer uma gestão ambiental mais atualizada nestes últimos anos”, diz Ricardo Mello, coordenador do programa Amazônia da ONG WWF-Brasil. “Mas ainda é muito cedo para saber se dará resultado.” Mello diz que é preciso valorizar esse tipo de esforço. “Todos os problemas ambientais da Amazônia ocorrem em Rondônia de forma amplificada.” O estado atingiu o limite definido no Código Florestal de áreas que podem ser desmatadas legalmente. Isso faz com que a pressão do desmatamento avance sobre terras indígenas e áreas protegidas, gerando frequentemente conflitos sociais. Rondônia tem figurado, consistentemente, na lista dos três estados que mais desmatam a Amazônia. Em 2017, foram 1.252 quilômetros quadrados de florestas derrubadas, o equivalente à área do município do Rio de Janeiro, segundo o Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe).

Leia a matéria na íntegra.

Autor / Fonte: Revista Época

Leia Também

Comentários