Identificados 5 suspeitos de ligação com agressores de jovem no Paraná

A Polícia Civil do Paraná informou ter avançado na identificação de cinco pessoas suspeitas de ligação com as agressões a um jovem, na noite desta terça-feira (9), nas dependências da Universidade Federal do Paraná (UFPR), em Curitiba.

Até o momento, as autoridades policiais já reconheceram os suspeitos em contas cadastradas nas redes sociais e trabalham para obter dados complementares, como nome completo, telefone e endereço, para que possam intimá-las formalmente.

De acordo com a polícia, todos são membros do Império Alviverde, torcida organizada do Coritiba, clube de futebol paranaense. "Todos eles foram identificados através da mídia social em torno da torcida organizada. Portanto, são integrantes dessa torcida organizada", afirmou Luiz Alberto Cartaxo Moura, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), onde o inquérito relativo ao caso foi registrado e tramitará.

Cada um deles será intimado pela corporação e, caso tenha a identidade confirmada pela vítima, será indiciado e poderá responder por lesão corporal. Segundo Moura, o nível de gravidade da lesão, porém, ainda será definido, conforme a recuperação da vítima e o laudo emitido pelo Instituto MédicoLegal (IML). Se a lesão for considerada leve, o processo poderá correr em um juizado especial.

A linha de investigação, explicou Moura, irá considerar três hipóteses: a de "simples rixa entre pessoas na rua", a de um conflito provocado entre torcidas de futebol rivais e a de confronto originado por divergências político-ideológicas. Se a conclusão for de que o crime aconteceu em um contexto de hostilidade entre torcedores, a Demaf [Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Grandes Eventos] deverá auxiliar na investigação dos fatos. "Se houver clima de concorrência eleitoral, será comunicado ao TRE [Tribunal Regional Eleitoral]", acrescentou.

A avaliação do delegado é de que o acontecimento não tem "tanta relevância", salvo se for uma ação de torcida organizada, porque aí já é um crime mais complexo. "Se for uma questão de discussão política, pode acontecer em qualquer bar", disse Moura, ressaltando que "toda violência é inaceitável".

O delegado informou ainda que, além do boné do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), a vítima usava, no momento do ataque, uma camiseta vermelha com uma estampa alusiva a Henfil, nome artístico do jornalista, escritor e cartunista Henrique de Souza Filho, que se tornou conhecido por fazer críticas ao regime militar e à ditadura no Brasil.

De acordo com Moura, mais de uma testemunha alegou ter ouvido brados dos agressores em favor do candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, durante o espancamento do rapaz. Ao menos cinco pessoas prestaram depoimento após presenciar as agressões. 

"Isso não está perfeitamente esclarecido ainda pelas testemunhas, mas ouviram essas frases, ditas pelos agressores durante as agressões. Nós vamos ter que apurar se isso efetivamente ocorreu, qual é, efetivamente, essa motivação. E, qualquer que seja ela, o crime será apurado com o maior rigor possível", declarou o delegado.

A Polícia Civil retificou a informação de que a vítima é estudante da UFPR, esclarecendo que se trata, na realidade, de um servidor público municipal que frequenta regularmente a Casa da Estudante Universitária, local onde as investidas contra ele teriam se iniciado, conforme alegou a agentes da Polícia Militar do estado.

Autor / Fonte: Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil Brasília

Leia Também

Loading...