Opinião: Convenções finalizadas não definem candidaturas

Opinião: Convenções finalizadas não definem candidaturas

O futuro político do Brasil será decidido até a meia noite de amanhã (5), prazo final para a realização das convenções partidárias e escolha dos candidatos às eleições gerais de outubro próximo. Serão eleitos de presidente da República a deputado estadual, menos prefeitos e vereadores.

Até hoje (4) somente o MDB com o presidente da Assembleia Legislativa (Ale), Maurão de Carvalho; o PDT representado pelo seu presidente regional o senador Acir Gurgacz, o PCdoB do advogado Jackson Chediack e o sindicalista Pedro Nazareno, do PSTU estavam definidos, após a realização das convenções partidárias como candidatos à sucessão do governador Daniel Pereira (PSB). Mas nenhum deles, ainda, tinha definido os vices.

Apesar de o prazo para realização das convenções partidárias e escolha dos candidatos a cargos majoritários e proporcionais terminar no domingo (5), os partidos terão dez dias de prazo para registro das candidaturas. A maioria não fecha a ata e promove substituições até o prazo final de registro de candidaturas.

Além de Acir, Maurão, Chediack e Nazareno já estarem definidos como candidatos a governador, hoje (4) e amanhã estarão ocorrendo convenções na capital e no interior para definição dos postulantes a cargos eletivos, como determina a Justiça Eleitoral. A expectativa maior está nas convenções dos partidos considerados “grandes”, como o PSDB, que não definiu o candidato a governador.

A cúpula tucana é bem dividida em Rondônia. A presidência é da deputada federal Mariana Carvalho, que substituiu o ex-senador Expedito Júnior, que durante anos comandou o PSDB no Estado. Mesmo sem mandato eletivo desde 2009, porque foi cassado por prática de crime eleitoral (compra de votos) assumindo o segundo colocado, Acir Gurgacz, que foi reeleito em 2014, Expedito continua forte dentro do diretório estadual, porque tem a maioria dos membros. Mariana está presidente, mas nem sempre é.

A convenção tucana será no domingo (5) e o partido, ainda, não tem uma definição sobre a candidatura a governador. Expedito foi candidato em 2014, saiu na frente, mas como concorreu “sangrando”, via liminar perdeu para Confúcio Moura (MDB), que foi reeleito. Ignorar que Expedito seja um nome expressivo do partido, mesmo também tendo rejeição forte é assumir a condição de analfabeto político. Mas há uma interrogação sobre seu futuro político: concorre ao governo ou Senado?

Também não é prudente ignorar que, hoje, o nome com maiores condições de disputar o cargo de governador é da deputada Mariana Carvalho. É o novo que ganha espaço na política devido o cipoal da corrupção crescer de forma assustadora no segmento. Na convenção tucana de domingo Expedito define se concorre ao governo ou Senado.

O PT já teria fechado questão com o PDT/PSB/PP, mas a decisão da cúpula não agradou aos membros do diretório, porque a parceria deixou os petistas sem espaço para uma candidatura ao Senado. A vaga que seria ocupada pela ex-senadora Fátima Cleide, hoje a maior expressão popular do partido juntamente com o presidente do diretório regional, o deputado estadual Lazinho da Fetagro, na condição atual está fora das eleições. O candidato a federal do partido é o ex-deputado federal e atual vice-prefeito de Alto Alegre dos Parecis, Mariton Benedito de Holanda. Nem a opção a federal há para Fátima.

As convenções têm prazo até domingo (5) para serem realizadas. Os partidos têm o período de dez dias para registro das candidaturas (majoritárias e proporcionais). Poderão ocorrer mudanças das convenções ao registro, por isso, tudo o que estiver definido até o dia 5 poderá ser mudado durante os dez dias, que antecedem o prazo final (15/08) para a confirmação dos nomes que estarão disputando as eleições.

Definição dos candidatos majoritários e proporcionais somente após o próximo dia 15.

Autor / Fonte: Waldir Costa / Rondônia Dinâmica

Leia Também

Loading...