Sema multiplica clonagem de castanha para replantio em áreas de Preservação Permanente e reservas legais

Sema multiplica clonagem de castanha para replantio em áreas de Preservação Permanente e reservas legais

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMA), em parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (CEPLAC), ampliou a produção de mudas clonais de castanha para reflorestar Áreas de Preservação Permanente e reservas legais, degradadas pela derrubada ou exploração irregular ao longo dos últimos anos, em Ariquemes.

Mundialmente conhecida como Castanha-do-Pará ou Castanha-do-Brasil, a Bertholletia excelsa, nativa da região amazônica brasileira, é árvore nobre, protegida pelo Código Ambiental Brasileiro. O decreto Federal nº 5.975, de 30 de novembro de 2006, proíbe a exploração da espécie para fins madeireiros em florestas naturais, primitivas ou regeneradas. Segundo o secretário da SEMDES, Vilmar Ferreira, exatamente por estas características a espécie foi escolhida para o reflorestamento. Além disso, a muda clonal reduz de quinze para cinco anos o tempo médio de produção. “O objetivo é conseguir uma árvore com a produção mais rápida e mais produtiva. Então, observando essas qualidades, a gente pegou o material genético para fazer a clonagem. É uma forma que a gente tem de introduzir a castanha para os produtores que tenham problemas ambientais, nas áreas de APP ou reserva legal, e que precisam fazer recomposição, para que utilizem esta espécie que é nativa da região.” (sic) Afirmou.

O projeto teve início há menos de seis meses, mas as mudas clonadas já apresentam bom desenvolvimento. Além da disponibilidade para os produtores, as mudas também serão plantadas no Parque Botânico de Ariquemes, APP’s e reservas localizadas às margens do Rio Jamari.

Autor / Fonte: Assessoria/Prefeitura

Comentários

Leia Também

 
Loading...